Seomara da Costa Primo

Comenta, Critica, Sugere...

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Seminário


Apresentacao Deco


From: alfredogarcia, 8 minutes ago





"Vendas Agressivas Para Pessoas Idosas".
Apresentação de Drª Ana Cristina Tapadinhas, no Seminário sobre "Envelhecimento activo" realizado no dia 30 de Outubro de 2007, no Auditório da Câmara Municipal da Amadora..


SlideShare Link

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Constituição da República Portuguesa

Na aula de 28 de Novembro, a propósito do trabalho que estão a fazer sobre o racismo, falei-vos de alguns artigos da Constituição da República Portuguesa (CRP), nomeadamente dos artigos: 13º, Princípio da Igualdade; 37º e 38º, Liberdade de Expressão e de Imprensa; 41º Liberdade de Consciência Religião e Culto.

Aqui vos deixo a possibilidade de acederem aos referidos artigos, de forma simples.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Métodos e Técnicas de Investigação em Ciências Sociais.

- Método: Conceito que resulta etimologicamente da junção de dois termos gregos, Meta + Odos. Meta significa fim, objectivo e Odos significa via, caminho, meio.
Podemos então concluir que um método é um meio para atingir um fim.

O Método implica o recurso a Técnicas próprias.

- Técnicas de Investigação: Etimologicamente, Técnica significa acto, saber fazer.
As Técnicas são os processos práticos que têm por objectivo a pesquisa, a recolha e o tratamento da informação.

O investigador deve escolher o método e as técnicas que se demonstrem mais eficazes no desenvolvimento da investigação.

Ernest Greenwood propôs uma classificação simples dos métodos de investigação, amplamente divulgada e usada no domínio das Ciências Sociais.

Classificação dos Métodos de Investigação de E. Greenwood:

1 – Método Experimental,
2 – Método de Medida ou Análise Extensiva,
3 – Estudo de Casos ou de Análise Intensiva.



Em atenção ao Gabriel Zsurkis vou escrever aqui um pequeno resumo sobre a vida de um seu conterrâneo que deu um grande contributo para a evolução das Ciências Sociais.



Ernest Greenwood, nasceu em 26 de Agosto de 1910 em Kolzsvár, Transilvânia, actualmente Cluj, na Roménia. A sua mãe morreu durante a I Guerra Mundial, quando ele tinha 6 anos.

Com o crescimento do anti-semitismo, na região, a madrasta convenceu o seu pai a emigrar para os Estados Unidos da América em 1921. Faleceu a 4 de Maio de 2004, com 93 anos.

Método Experimental:
O método experimental é um método fundamental na investigação científica. Jean Piaget e Paul Fraisse - "Tratado de Psicologia Experimental" - distinguem quatro fases, ou momentos, deste processo de investigação:
- Observação - natural e científica,
- Formulação de hipóteses,
- Experimentação,
- Conclusão, elaboração e interpretação de resultados.
Método de Medida ou de Análise Extensiva:
Este método é muito utilizado para explicar um fenómeno que envolva uma população muito vasta. Devem privilegiar-se, na recolha de dados, as Técnicas de Entrevista e o Inquérito por Questionário. Deve calcular-se uma amostra, uma vez que, tratando-se de um estudo que envolve uma grande população, tornava-se impossível fazer entrevistas, ou inquéritos a toda a gente. Por isso selecciona-se um pequeno conjunto de de elementos, representativo da populaçãao alvo.
A amostra é constituída por um pequeno número de pessoas que pertencem à população e deve haver correspondência entre a estrutura da amostra e a estrutura da população a estudar.
Recolhem-se os dados, directa ou indirectamente, através dos questionários e das entrevistas, analisa-se os dados e generaliza-se ao universo da população as conclusões tiradas de amostra.
Método do Estudo de casos ou de Análise intensiva:

sábado, 3 de novembro de 2007

A Objectividade em Ciências Sociais


Obstáculos à Produção do Conhecimento Científico nas Ciências Sociais e regras que possibilitam a objectividade na investigação e interpretação da realidade social:

Na investigação da realidade social, o cientista social tem de fazer uma ruptura com o conhecimento do senso comum. Esta forma de conhecimento vulgar e prático com que orientamos as nossas acções e damos sentido à nossa vida quotidiana, constitui um obstáculo à produção do conhecimento científico da realidade social.


Obstáculos que o conhecimento do senso comum põe à produção do conhecimento científico:

1 - Proximidade, familiaridade com a realidade social,
2 - Explicações da realidade social de tipo:

- naturalista,
- individualista,
- etnocentrista.


CONTINUA...

Como se consegue a Objectividade em Ciências Sociais:
Em Ciências Sociais, a objectividade na investigação pode ser prejudicada pelo facto de o investigador poder projectar na investigação da realidade social, e interpretação dos factos sociais, a sua subjectividade e razões de natureza ideológica.
Devem, portanto, adoptar-se na investigação científica, em Ciências Sociais, algumas regras ou posições de princípio, para que, os dados obtidos e os conhecimentos alcançados, se revistam da objectividade necessária e característica do conhecimento científico.
O Sociólogo é, como qualquer cidadão, membro de uma sociedade, pertence a uma cultura, está integrado num determinado sistema laboral, ocupa os seus tempos livres, como as demais pessoas, etc. Todas estas situações, toda esta familiaridade e proximidade com o objecto de estudo – a realidade social - podem constituir obstáculos à objectividade na sua investigação. Por isso é necessário que o investigador, no processo de produção do conhecimento científico, em Ciências Sociais, tenha presentes um
conjunto de regras que deve respeitar, por exemplo:

1 – Regra da Objectividade,
2 – Regra do Concreto,
3 – Regra da Ignorância Consciente ou Princípio da Não-Consciência,
4 – Regra da Determinação do Facto,
5 – Regra da Totalidade Solidária.

1 – Regra da Objectividade:

De acordo com esta regra os factos sociais devem ser tratados como coisas.
Émile Durkheim defende a neutralidade do pesquisador para alcançar a objectividade. Para isso, deve abandonar todas as pré-noções adquiridas sobre a realidade social, derivadas da familiaridade com os fenómenos sociais e de um possível envolvimento directo ou empenhamento pessoal em muitos deles.
A procura da objectividade na análise social é uma tentativa de obter a exactidão das análises aplicadas nas ciências exactas. Para isso, os factos sociais devem ser tratados como coisas, como objectos, fenómenos que lhe são exteriores e que podem ser observados e medidos de forma objectiva.


2 – Regra do Concreto:

Segundo a regra do concreto, as informações que constituem a matéria-prima do conhecimento sociológico são informações da realidade social, de situações concretas da vida em sociedade. A construção do conhecimento da realidade social, faz-se a partir da investigação efectiva dos factos concretos, e não com base em deduções teóricas, sem ter em conta os factos objectivos, tal como eles se apresentam nas sociedades.


3 - Regra da Ignorância Consciente ou Princípio da Não-Consciência:

O Sociólogo como que finge que nada sabe sobre os fenómenos que vai investigar, embora tenha consciência de que já tem pré-noções acerca deles. O sociólogo deve partir do “conhecimento zero” para a sua investigação, deve fazer “tábua rasa” das noções adquiridas empiricamente.
A regra da ignorância consciente ou princípio da não-consciência, “significa que nos proibimos por questões de método, de fazer a hipótese de que é interrogando a consciência que se pode obter dela a explicação dos comportamentos humanos que se tentam explicar sociologicamente”. O sociólogo deve, conscientemente e por sistema, questionar qualquer conhecimento anterior do facto social que está a estudar, testando-o ou ignorando-o.

4 – Regra da Determinação do Facto:

De acordo com a regra da determinação do facto, o investigador obriga-se a definir e delimitar com precisão, no espaço e no tempo, os fenómenos em estudo.


5 – Regra da Totalidade Solidária:

A investigação dos factos sociais deve ter em conta que eles se caracterizam por uma multiplicidade de relações e de perspectivas de abordagem possíveis. Qualquer investigação de um facto social específico não pode deixar de ser enquadrada no todo social a que pertence.
A este propósito podes rever a matéria sobre o “fenómeno social total.”

sábado, 27 de outubro de 2007

Fenómeno Social Total - Complementaridade e Interdependência entre as Ciências Sociais.


Vamos procurar esclarecer, através de um exemplo de um facto social (as classes sociais), em que consiste o Fenómeno Social Total, a Complementaridade e Interdependência entre as Ciências Sociais.

Classe Social:

Classe social é um termo utilizado para classificar pessoas segundo o seu poder aquisitivo. Esta selecção existe desde a Idade Média onde havia senhores feudais (classe alta) e os servos (classe baixa). Na Idade Moderna também existia esta divisão sendo a classe dominante quem controlava e decidia acerca da política e outros factores e a classe trabalhadora que executavam os trabalhos e acatavam as decisões tomadas pela classe dominante a fim de conseguir sobreviver.
A partir da Idade Contemporânea as classes sociais foram divididas em baixa, média e alta. A classe baixa é composta por pessoas de baixo poder aquisitivo e baixa qualidade de vida que gastam tudo aquilo que recebem com alimentação e saúde, não lhe restando nada para lazer. A classe média é composta por pessoas que possuem renda razoável podendo suprir suas necessidades básicas e também lhe proporcionar entretenimento e lazer. A classe alta é composta por pessoas de alto poder aquisitivo que não possuem nenhuma dificuldade em suprir suas necessidades. A partir desta divisão pode-se ainda subclassificar pessoas:
Classe alta alta: Composta por pessoas consideradas elite que normalmente são proprietários de empresas.
Classe alta: Composta por pessoas que se tornaram ricas por bons salários, como os políticos.
Classe média alta: Composta por pessoas com salários razoáveis como médicos, advogados, executivos etc.
Classe média: Composta por pessoas que recebem salários medianos como gerentes, arquitetos, professores etc.
Classe média baixa: Composta por pessoas que recebem salários mais baixos como policiais, secretárias, vendedores, recepcionistas etc.
Classe baixa: composta por trabalhadores braçais como operários, serventes, marceneiros, etc.
Miseráveis: Composta por pessoas desempregadas

Vêr também: As Classes Sociais e as desigualdades.
_______________________________________

O estudo das Classes Sociais interessa a diversas Ciências Sociais, por exemplo: Ciência Política, Demografia, Geografia Humana, Psicologia Social, Psicologia Individual, Linguística, Economia.
O estudo das Classes Sociais interessa à Ciência Económica, pois, a estrutura das actividades e das relações económicas representam, numa dada sociedade, a matriz básica na qual as “situações de classe” se definem e a partir da qual as classes sociais se podem propriamente constituir. Por outro lado, mecanismos económicos como a formação de capital e os modos como este se utiliza, o ritmo de crescimento e a composição do Produto Nacional, a repartição dos rendimentos, o perfil da procura global, resultam de todo um jogo de acções individuais e colectivas em que os indivíduos, ou grupos, agem a partir de posições que que se inserem e dependem do quadro geral de posições, relações e práticas sociais das diferentes classes.
As Classes Sociais são forças sociais portadoras de interesses distintos e, até, em muitas situações, antagónicas. Por isso interessa à Ciência Política estudar a acção das Classes Sociais, os seus interesses, os seus projectos de poder, etc.
A Demografia interessa-se pelo estudo das Classes Sociais, uma vez que as determinantes sociais (natalidade, mortalidade, dimensão média das famílias, idade média em os indivíduos se casam, etc.), de que dependem a composição e a evolução quantitativas das populações, têm significativas diferenças de classe para classe social.
As classes sociais não se distribuem de forma uniforme por todo o território que uma dada sociedade ocupa. A estrutura das classes sociais varia conforme se trate de uma grande metrópole, de uma pequena cidade, de uma zona rural, e varia também de acordo com as características geo-económicas destas últimas, influenciando-as de modo muito significativo. Assim, é possível elaborar uma geografia das classes sociais, interessando o estudo destas à Geografia Humana.
As atitudes, as opiniões, os preconceitos colectivos (sobre temas políticos, sociais, religiosos, morais, raciais, de educação, etc.), são influenciados pela classe social a que os indivíduos pertencem ou aspiram pertencer. Por estas razões, o estudo das classes sociais, interessa também à Psicologia Social.
O desenvolvimento psíquico (intelectual e afectivo) dos indivíduos e as suas sucessivas reestruturações psicológicas, desde a primeira infância, são fortemente determinados pela classe social a que aqueles pertencem. Razão pela qual o estudo das classes sociais também interessa à Psicologia Individual, admitindo alguns Psicólogos a necessidade de se utilizar, em psicologia, o conceito de “Personalidade de Classe”.
As classes sociais podem ainda ser estudadas ao nível da linguagem. É ao nível da linguagem que, muito frequentemente, são visíveis as diferenças entre as classes sociais, pelo que o seu estudo interessa à Linguística.
Verifica-se que, para uma melhor compreensão do fenómeno social (total) classes sociais, é essencial recorrer a diversas ciências sociais:
- Economia.
- Ciência Política,
- Demografia,
- Geografia Humana,
- Psicologia Social e Individual,
- Linguística.
O Fenómeno Social é Total, uno e indivisível, mas pluridimensional. Pelo que, para uma melhor compreensão do fenómeno social em causa é essencial recorrer ao contributo de diversas ciências sociais.
As ciências sociais são complementares, tornando-se indispensável, para uma melhor compreensão dos fenómenos sociais recorrer à interdisciplinaridade.

Adaptação de um texto de Adérito Sedas Nunes, Questões preliminares sobre as Ciências Sociais.
____________
Complementaridade e Interdependência entre as Ciências Sociais (cont.):

A realidade social é complexa e o seu estudo exige o recurso à acção conjugada das várias ciências sociais.
O recurso ao contributo das diferentes ciências sociais permite-nos compreender melhor a complexa unidade dos fenómenos sociais. Este processo chama-se interdisciplinaridade.
A História, a Demografia, a sociologia a Economia, a Política, etc. são ciências sociais que possuem corpos teóricos, técnicas de investigação e objectivos de estudo próprios. Por essa razão, alguns cientistas sociais do século XIX defendiam que cada uma das ciências estudaria uma parte determinada da realidade. Cada ciência social investigaria um campo de fenómenos próprios de cada ciência social distintos e separados dos fenómenos estudados pelas outras. Cada ciência social teria um campo específico de pesquisa: a Economia estudaria os fenómenos económicos, a Demografia investigaria os factos demográficos, a Política trataria os fenómenos políticos e a História interpretaria os factos históricos, etc.
Ocorreram profundas alterações nas estruturas sociais causadas pela Revolução Industrial do século XVIII e XIX, e pelas Guerras Mundiais do século XX, levaram a discussões filosóficas e humanísticas entre os investigadores sociais.
Surgiram, então, novas concepções no domínio das ciências sociais, entre outros surgiu o conceito de Fenómeno Social Total.
Como diz Georges Gurvitch a realidade estudada pelas ciências ociais é uma só, o comportamento social do Homem; os diferentes fenómenos reais (económicos, sociológicos, políticos, religiosos, etc.) não podem separar-se uns dos outros, como se fossem compartimentos estanques – Toda a actividade do Homem é pluridimensional, todos os fenómenos sociais são totais, têm implicações em diversos níveis do real (histórico, religioso, jurídico, sociológico, político, económico, etc.).

terça-feira, 23 de outubro de 2007

As Ciências Sociais e o Fenómeno Social Total.


As ciências sociais e o fenómeno social total:

Convém lembrar que há uma concepção errónea mas persistente, segundo a qual as ciências sociais estudariam realidades distintas, ou sectores distintos, compartimentados, da realidade — as diferenças analíticas proviriam de diferenças entre objectos reais. Tal concepção há muito que vem sendo ultrapassada pelos especialistas. Já no século XIX, um Comte ou um Marx alertavam para que, por exemplo, os fenómenos económicos são também sociais e políticos. Porém, a contribuição sistemática mais relevante, aquela a que hoje recorremos, pertenceu, na década de 1920-30, a Marcel Mauss.
Com o conceito de "fenómeno social total", ele estabeleceu dois princípios. Qualquer facto, quer ocorra em sociedades arcaicas quer em modernas, é sempre complexo e pluridimensional; pode, pois, ser apreendido a partir de ângulos distintos, acentuando cada um destes apenas certas dimensões. Todo o comportamento remete para e só se toma compreensível dentro de uma totalidade
, quer dizer: constelações compósitas de recursos, representações, acções e instituições sociais intervêm nas mais elementares relações entre pessoas.
A economia, a psicologia ou a sociologia distinguem-se, não porque na realidade haja factos exclusivamente económicos, psicológicos ou sociológicos, mas porque partem de perspectivas teóricas distintas e constroem distintos objectos científicos (os quais, como já vimos, são sempre de natureza abstracto-formal, embora mais ou menos especificados). Não se nega que algumas disciplinas tendam a privilegiar domínios reais diversos — as sociedades que os historiadores e os antropólogos mais estudam são realmente diferentes das que a generalidade dos sociólogos têm focado. Mas isso é secundário em relação ao vector principal de diferenciação — que é de ordem conceptual, que radica na diversidade das ópticas de análise seguidas.
É capital perceber que o económico, o político ou o simbólico não constituem compartimentos estanques — são dimensões inerentes a toda a acção social, estão nela profundamente interligadas. Se designamos certas formas de conduta por económicas, outras por políticas, outras por simbólicas, não é porque umas sejam na realidade exclusivamente económicas, outras políticas e outras simbólicas — pelo contrário, a acção humana, tomada na sua intrínseca complexidade, é ao mesmo tempo económica, política e simbólica; se designamos, pois, certas formas de conduta por económicas, fazemo-lo em virtude de uma classificação/selecção intelectual nossa, a qual privilegia certas dimensões, certos aspectos, em detrimento dos restantes, em função da perspectiva que adoptamos (e que tem, no caso, correspondência na grelha analítica própria da ciência económica).
Só assim compreendemos porque são tão precárias e flutuantes as fronteiras entre várias disciplinas — falando em termos gerais, elas perspectivam, de diferentes maneiras, a mesma realidade; e é precisamente por esta ser muito complexa que se faz mister, para torná-la inteligível, multiplicar (e cruzar) prismas, princípios e instrumentos teórico-metodológicos.
Torna-se agora necessário esclarecer que a palavra "perspectiva" é aqui usada em sentido amplo. Dizer que cada ciência social perspectiva de forma específica a realidade e por isso se distingue das demais é dizer que cada ciência, pelo menos tendencialmente: a) elabora o seu próprio conjunto articulado de questões — a sua problemática teórica — e define o seu objecto científico; b) determina um certo número de problemas de investigação centrais no contexto dessa problemática; c) constrói conjuntos de princípios, teorias, estratégias metódicas e resultados cruciais que servem de modelo ou quadro orientador às pesquisas produzidas na sua área — os paradigmas.

Silva, A. e Pinto, J. (2001). Uma visão global sobre as ciências sociais. In Silva, A. e Pinto, J. (Orgs). Metodologia das ciências sociais, 11.ª ed. Porto: Edições Afrontamento, pp. 17-18.
___________________________________________________
Reconhecer a complexidade da realidade social:

O social é um todo, englobando diferentes tipos de relacionamento que os homens desenvolvem entre si, entre o mundo que os circunda e entre os artefactos que produzem. Logo o real social tem uma série de dimensões que tanto podem interessar à Economia como à Geografia por serem tão complexas e envolverem tantas interacções.
O facto de as CS estudarem a realidade social não significa que esta se possa dividir em campos distintos ou que os fenómenos sociais se possam separar, pelo contrário, a realidade social é una e indivisível – unidade do social.

Compreender que todo o fenómeno social é total:

Os fenómenos sociais resultam das acções dos indivíduos, as quais se desdobram em práticas materiais e simbólicas, relações com a Natureza e relações com os outros homens. Por outro lado, nenhum fenómeno pode ser explicado isoladamente, separado dos fenómenos que o circundam, das condições que o rodeiam e a que está ligado (por exemplo se separarmos o oxigénio do hidrogénio estes não explicam as propriedades da água). Desta maneira também é impossível apreender o significado de um facto social isolado ou reintegrado, num contexto limitado a esta ou aquela actividade social determinada.

Sociologia e Sociologias Especializadas.

SOCIOLOGIA:
Etimologicamente formada por um vocábulo latino (socios) e outro grego (logos), a palavra sociologia significa tratado do companheiro ou, mais amplamente, da inter-relação social. A Sociologia, descrita inicialmente como Física Social, acaba por tornar-se uma Ciência autónoma, com um objecto e um método próprios, sobretudo com os trabalhos de Auguste Comte e Émile Durkheim. O objecto da Sociologia é a actividade humana enquanto jogo de interacções entre os actores sociais.
A Sociologia é uma Ciência Social que tem como objecto de estudo científico as relações sociais, as formas de associação, destacando-se os aspectos gerais comuns a todas as classes de fenómenos sociais, fenómenos que se produzem nas relações de grupos entre seres humanos. Estuda o homem e o meio humano nas suas interacções recíprocas. A Sociologia não é normativa, nem emite juízos de valor sobre os tipos de associação e relãcções estudadas, pois baseia-se em estudos ojectivos que melhor podem revelar a verdadeira natureza dos fenómenos sociais. A Sociologia corresponde ao estudo e conhecimento objectivo da realidade social.
Exemplos: formação e desintegração de grupos; divisão das sociedades em camadas ou castas; mobilidade de indivíduos e grupos nas camadas sociais; processos de cooperação e competição...
SOCIOLOGIAS ESPECIALIZADAS – têm como objecto de estudo categorias específicas dos fenómenos sociais; não correspondem a verdadeiras divisões da Sociologia, antes são contextualizadas teórica e metodologicamente pela Sociologia Geral. Ex. Sociologia da Família, Sociologia da Educação, Sociologia do Trabalho, etc.
____________________________________

Identificar várias sociologias especializadas:

A Sociologia Criminal – ocupa-se dos aspectos da vida social que têm a ver com a delinquência ou prática de crimes,
A Sociologia da Família – estuda a origem, evolução e as diferentes formas de relação entre os membros da família nas diferentes sociedades,
A Sociologia Histórica – investiga as sociedades do passado e as origens dos processos sociais, a Sociologia da Comunicação – estuda a forma e meios de comunicação entre os seres humanos, etc.
No entanto, o aparecimento das sociologias especializadas não significa de maneira alguma uma divisão na Sociologia pois não se pode perder o sentido global desta ciência mas sim procurar recorrer às teorias gerais e aos métodos de pesquisa da Sociologia. Se isto não acontecesse podia haver uma dispersão caótica das várias dimensões sociais e isso só pode ser evitado de, mesmo com especializações a pesquisa seja feita de acordo com a interdisciplinaridade desta ciência.
____________________________________________
Exemplos de outras Sociologias Especializadas:
Sociologia Antropológica ou Antropossociologia. Estuda as correlações que existem entre o factor antropológico e as sociedades humanas.
Exemplo: influência dos grupos étnicos numa sociedade; os quistos étnico-culturais, consequências da mestiçagem em uma sociedade.

Sociologia do Direito. Estuda a inter-relação entre o Direito e os processos sociais. Considerando o Direito como um tipo de controle social formal, analisa a uniformização do comportamento dos componentes de uma sociedade. através das leis e regulamentos a eles impostos, e a adequação ou não das normas jurídicas em determinada sociedade.
Exemplo: investigação da possibilidade do divórcio ser factor de desagregação numa sociedade; repercussões sociais do estabelecimento da pena de morte.

Sociologia Económica. Estuda a organização de grupos humanos para a satisfação de necessidades materiais, a influência das relações económicas originadas dessa organização sobre as instituições sociais e o efeito contrário, isto é, a alteração de um facto económico por um fenómeno social.
Exemplo: consequências sociais das greves ou a influência das mesmas na deterioração da moeda; alteração da organização das empresas industriais no sentido da participação dos trabalhadores nos lucros da empresa - PIS (Plano de Integração Social).

Sociologia Política. Estuda a organização política dos diversos tipos de sociedade. as implicações sociais das várias espécies de movimentos políticos e de ideologias; origem. desenvolvimento e funções do Estado em seus aspectos teóricos e práticos de organização; as inter-relacções entre Estado e Direito, Política. Economia, com especial destaque as relações de dominação e subordinação. liberdade e coacção.
Exemplo: revoluções; falhas sociais que permitem a fraude eleitoral.

Sociologia da Família. Estuda a origem, evolução e função da instituição Família. suas distintas formas e as relações entre seus membros. nas diversas sociedades, no passado e no presente.
Exemplo: relações maritais; 0 princípio da legitimidade; tipos de sucessão.

Sociologia da Educação, Sociologia Educacional ou Sociologia Aplicada à Educação. Examina o campo, a estrutura e o funcionamento da escola como instituição social. e analisa os processos sociológicos envolvidos na instituição educacional.
Exemplo: problemas da educação rural e urbana; a escola como agente de socialização e de controle social.

Sociologia da Religião. Estuda a origem, desenvolvimento e formas da instituição Igreja, examinando as mudanças em sua estrutura e função.
Exemplos: a religião como forma de controle social; as mudanças sociais acarretadas pela Reforma Protestante e o Concílio de Trento; repercussões sociais da Encíclica Mater et Magistra.

Sociologia da Comunidade. Sociologia Rural e Sociologia Urbana. Estudam. Respectivamente, a organização, os problemas sociais das comunidades e a diferenciação do espaço sócio-ecológico; o modo de vida rural e a natureza das diferenças rurais e urbanas; as alterações sócio-culturais que ocorrem no contínuo rural-urbano. origem e evolução das cidades e o urbanismo como modo de vida: mudanças sócio·económico-culturais determinadas pela concentração de uma elevada população, de composição heterogénea. em limitada área geográfica.
Exemplos: vizinhança; resistências às mudanças no meio rural; a desumanização do homem na grande cidade.

Sociologia Demográfica e Ecologia Humana. Estudam. Respectivamente, a influência do factor demográfico (densidade da população, sua diminuição ou aumento na orqanização da sociedade e vice-versa; a distribuição espacial dos agrupamentos humanos. suas relações uns com os outros e factores determinantes de sua distribuição e relacionamento.
Exemplos: consequências sociais da diminuição da taxa de mortalidade; migrações; pólos de atracção para o estabelecimento de seres humanos e instituições em determinada área; influência, de âmbito regional, de determinados agrupamentos.

Sociologia do Desenvolvimento. Estuda 0 processo de desenvolvimento compreendido como uma configuração historicamente concreta de transformações nas sociedades humanas; preocupa-se com a análise das condições estruturais que precedem o desenvolvimento e nele influem de maneira fundamental; verifica as implicações do desenvolvimento, isto é, suas inter-relações, suas consequências e seus produtos.
Exemplos: Revolução Industrial e desenvolvimento; dependência. Subdesenvolvimento e marginalidade; desenvolvimento industrial e conflito de classes.

Sociologia Industrial e Sociologia do Trabalho. Referem-se ao estudo sistemático das relações sociais e a interacção entre indivíduos e grupos relacionados com a função económica da produção e distribuição de bens e serviços necessários à sociedade. Especificamente analisam o conteúdo dos papeis profissionais, as normas e expectativas a eles associada em diferentes organizações de trabalho.
Exemplos: a influência da indústria no sistema de estratificação; sindicatos e associações profissionais; a motivação para o trabalho; estudo do status profissional.

Sociologia da Burocracia e Sociologia Aplicada à Administração. São expressões mais ou menos equivalentes: ambas estudam os fenómenos que decorrem da estrutura das organizações enquanto sistemas especiais. A rigor, a expressão cientificamente mais adequada seria Sociologia das Organizações, corrente entre os autores franceses.
Exemplos: conflito de hierarquia; fenómenos decorrentes das disfunções internas (desajustamentos provocados pelos excessos da organização formal); análise da liderança na organização.

Sociologia do Lazer. Estuda os fenómenos decorrentes da redução do trabalho na sociedade industrial. o tecnicismo e a automação provocam uma ampliação do tempo livre, cuja utilização é o objecto de estudo desta área da Sociologia.
Exemplos: desvio de comportamento ocasionado pela má utilização do tempo livre; preferência dos adolescentes por determinado tipo de lazer.

Sociologia Hlstórica. Estuda as origens e o desenvolvimento de processos sociais e analisa sua influência na realidade social presente; investiga as sociedades do passado com a finalidade de encontrar as origens e obter explicações para as formas actuais de vida social.
Exemplos: evolução da família e sua transformação, passando de família extensa a nuclear; evolução das tradições; lendas e mitos através dos tempos.

Sociologia da Cultura, Sociologia do Conhecimento e Soclologia da Linguagem. Estudam, respectivamente, a influência da cultura de determinado grupo sobre as relações e inter-relações de seus componentes; a influência dos grupos sociais e suas particulares relações sobre o pensamento e o saber; as influências recíprocas entre linguagem e vida grupal.
Exemplos: influência da helenização na sociedade romana; a ascensão da burguesia e Iluminismo; a influência da organização sócio-política na adjectivação.

Sociologia da Arte. Estuda a relação fundamental entre a sociedade e a arte: de um lado, a influência da sociedade sobre os artistas e as obras de arte e, de outro, a Influência destes na sociedade.
Exemplos: as lutas religiosas e sua influência no barroco; a influência da arte aplicada à propaganda na política e na economia.

Sociologia da Comunicação. Preocupa-se com o estudo da comunicação entre seres humanos. com ou sem auxílio de meios mecânicos. Analisa os comportamentos sociais em face dos meios de comunicação. Um dos aspectos mais relevantes é o estudo da cultura de massa.
Exemplos: O papel dos meios de comunicação de massa na formação da opinião pública; as interferências provocadas pela Imprensa ou televisão numa campanha eleitoral.

Além das áreas mencionadas, existe uma série de outras, como: Sociologia dos Pequenos Grupos, Sociologia Biológica, Sociologia Médica, Sociologia Clínica, Sociologia Criminal, Sociologia Militar etc.

Lakatos, Eva Maria, Sociologia Geral, 6ª edição, revista e ampliada, São Paulo, Editora Atlas S.A. 1995.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

O que vamos fazer:

Entre outras coisas, vamos observar, e analisar, de forma mais sistemática e crítica, fenómenos que têm a ver com o facto de as pessoas conviverem umas com as outras em grupo, em sociedade, fenómenos que fazem parte da realidade social:
- prática religiosa,
- linguagem,
- sistema de ensino,
- organização do trabalho,
- papel e estatuto social da mulher,
- o casamento,
- a forma de vestir,
- o tipo de alimentação,
- a arquitectura,
- a organização e estrutura familiar,
- a organização urbanística,
- etc.
- um conjunto vasto de aspectos com os quais convivemos sem, por vezes, neles repararmos.
Todos estes fenómenos fazem parte da realidade social.
- Vamos concentrar a observação e análise sobre a realidade social...

Os primeiros Sociólogos - cont.:

Emile Durkheim (1857-1917):

- Contribuiu para que a Sociologia passasse a utilizar uma metodologia científica na compreensão dos fenómenos sociais ("Regras do método sociológico" - 1895 e "Estudo do Suicídio" - 1897, são obras fundamentais deste autor.

- Émile Durkheim procedeu a uma das mais famosas investigações sociológicas do início do século XX, o seu estudo sobre o suicídio. Recolheu estatíticas sobre o número de suicídios em vários países da Europa, durante o século XIX, e analisou-as.
- O seu trabalho foi importante para comreender que o estudo dos comportamentos, mesmo individuais, não se reduz ao estudo dos indivíduos. Segundo Durkheim: "Não se compreende que possa haver sociologia se não houver sociedades, mas estas não poderão existir se apenas existirem indivíduos".
- Relacionou o suicídio com o grau de integração do indivíduo na sociedade. O seu trabalho foi importante para "compreender que qualquer acto social, por mais individual que pareça ser, é sempre influenciado pela realidade social em que se desenvolve.
Segundo Émile Durkheim, a probabilidade do suicídio varia com o grau de integração religiosa, familiar e política.
Teorizou sobre a existência de três tipos de suicídios:
- Egoísta,
- Anómico (Anomia: Ausência de normas. Aplica-se tanto à sociedade como a pessoas: significa estado de desorganização social ou pessoal ocasionado pela ausência ou aparente ausência de normas).
- Altruista.
Continua...

Os primeiros Sociólogos.

Auguste Comte (1798-1857):
- Autor do termo Sociologia, segundo a generalidade dos autores. Chamou-lhe, no início, "Física Social".
- Defendeu a possibilidade de as Ciências Sociais utilizarem o método de análise das Ciências Exactas.
- A Sociologia é encarada como uma "Ciência Globalizante" e debruçar-se-ia sobre todos os domínios sociais: histórico, económico, político, etc.
- Razão pela qual, só através da complementaridade e da interdependência entre as ciências sociais era possível uma visão mais perfeita dos fenómenos sociais.
- Enunciou a "Lei dos Três Estados":
1º Teológico, ou fictício,
2º Metafísico, ou abstracto,
3º Científico, ou positivo.

Emile Durkheim

video

Racismo.

Racismo - Trabalho realizado pela Ritinha - Rita Mendes - 12º 3.

Antonio Valdez Entrevista Edite Rosario.mp3

Dia do Professor

Parabéns António Valdez!

Parabéns António Valdez!
in: "Jornal da Região", de 9 a 15 de Outubro de 2007.

SOCIOLOGIA - Vídeos no youtube.